segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

A Grécia Antiga e a Formação do Mundo Ocidental


O conhecimento acerca da História da Grécia antiga é fundamental, para a compreensão da atual sociedade Ocidental. A Grécia antiga é representada pela sua cultura e mentalidade: Idioma, religião e costumes.
A civilização grega situava-se na península Balcânica, região oriental da Europa. Sua geografia caracterizava-se pelo seu relevo, acidentado e montanhoso, o qual facilitava o isolamento de seu povo. Era uma região banhada pelos mares Egeu, Jônio e Mediterrâneo; e territorialmente, dividida em três partes: a continental, a penínsular e a insular. Seu habitat natural potencializou o desenvolvimento das navegações comerciais, transformando o mar mediterrâneo em importante fluxo de comunicação, comercialização e trocas culturais. Economicamente, os gregos se destacaram no comércio, assim como, na metalúrgia, e tiveram pouco desempenho na agricultura.
O homem grego teve sua formação através da miscigenação, entre os Pelágios e tribos indo-europeias- Aqueus, Eólios, Jônios e Dórios-, povos estes, que foram conquistando e sendo conquistados, através dos diversos processos de imperialismo, naturais desse período, e assim, misturando suas culturas e mentalidades, resultando na formação do homem grego.
A História política da Grécia é dividida em cinco períodos: Pré- Homérico (XX-XII a.C), Homérico (XII-VIII a.C), Arcaico (VIII-VI a.C), Clássico (V-IV a.C) e Helenístico (IV- II a.C). O período Pré-Homérico, caracteriza-se pela invasão dos indo-europeus e pela formação do homem grego, período também conhecido, como creto-micênico ou minóico. O qual obteve maior influência da cultura Oriental. O período Homérico, caracteriza-se pelas comunidades gentílicas (Genos) e pelos livros Ilíada e Odísseia, assinados por Homero. O Período Arcaico, caracteriza-se pela formação das cidades-estados (Pólis), que constituíam-se da Acrópole, Asty e Ágora. As principais Pólis gregas foram Atenas e Esparta.  Nesse mesmo período formaram-se as classes sociais: Eupátridas, Georgóis, Thetas e Demiurgos. O período Clássico, caracteriza-se pelas guerras internas e externas. As Guerras Médicas, contra os Persas, que resultou na  formação da Confederação de Delos (hegemonia ateniense). E a Guerra do Peloponeso, disputa imperialista entre as cidades gregas, Atenas e Esparta, que resultou na formação da Liga do Peloponeso (hegemonia espartana), tendo como consequência, o enfraquecimento da hegemônia dessas cidades e de toda a Grécia. O período Helenístico- fusão da cultura grega e oriental-, foi caracterizado pelo imperialismo e domínio macedônico, causando o fim da civilização grega.
A evolução da política grega, dividiu-se em quatro fases: Basileu, Oligarquia, Tirania e Democracia. A cidade de Esparta, fundada pelos Dórios, se destacava pelo seu conservadorismo e militarismo, tendo a Oligarquia como regime político. Enquanto a cidade de Atenas, colonizada pelos Jônios, destacou-se pela sua erudição e filosofia. Nesta cidade-estado foi instituída a Democracia, como regime político.

Por tanto, observamos que para compreender a raiz da cultura ocidental, precisamos recorrer à civilização grega, pois sua influência é vasta e intrínseca. Não somente, na percepção de mundo e na estrutura do pensamento ocidental, como também, na política (Democracia) mesmo sendo diferente da atual, na ciência (Matemática), nas Artes (Arquitetura e Teatro), na religião (Mitologia) e no Esporte (Olimpíada). Ou seja, nossa cultura, percepção e mentalidade ocidental, advém de um povo miscigenado, complexo e que vivia entre “dois mundos”- Ocidental e Oriental- característica que contrapõe muitos conflitos da atualidade. 

Profª Rafaela Molina

3 comentários: